Zootecnista Diego Costa (à direita), junto do também participante da pesquisa, professor Junior Cota (Foto: Amanda Lelis/UFMG)

A inclusão de farinha de insetos na dieta de camundongos é eficaz na redução da desnutrição e da obesidade. Isso é o que indica uma série de pesquisas que estão sendo realizadas no Instituto de Ciências Agrárias (ICA), em Montes Claros. Os estudos também buscam definir protocolo de produção de insetos em cativeiro, para alimentação animal e humana. As informações são da Cedecom.

Um dos pesquisadores envolvidos no estudo é o zootecnista e professor do ICA, Diego Vicente da Costa. Segundo ele, os insetos são fonte de proteína alternativa às tradicionalmente utilizadas, pois aliam oferta de alto índice de nutrientes com sustentabilidade produtiva.

“Insetos podem gerar proteína de alta qualidade nutricional com resíduos orgânicos de baixo valor agregado. Também consomem menos água e menos energia, além de emitirem menos gases de efeito estufa que outros animais de produção comumente utilizados na alimentação humana”.

RESULTADOS PRELIMINARES

Os primeiros resultados da pesquisa demonstraram a eficácia da inclusão de farinha de insetos na dieta de aves, peixes, cães, gatos e camundongos, sendo os últimos o principal modelo animal para estudos de nutrição humana.

“Utilizamos dois modelos: camundongos obesos e desnutridos. Os obesos emagreceram, e os desnutridos, engordaram. Parece haver algum componente na farinha de insetos que modula o metabolismo desses animais”, observa o zootecnista. O trabalho sugere que insetos podem ser usados no combate à desnutrição humana e controle de doenças metabólicas, como a obesidade.

DESENVOLVIMENTO

Tenébrios produzidos em cativeiro: pesquisa para aumentar a disponibilidade de nutrientes (Foto: Amanda Lelis /UFMG)

O grupo de pesquisadores está desenvolvendo em cativeiro a produção de insetos como grilos, tenébrios, que são um tipo de besouro, e barata cinérea, espécie que difere da barata doméstica. Para a produção industrial em larga escala, é necessário protocolo que oriente as melhores práticas de criação e manejo dos animais, a fim de assegurar produtividade e segurança alimentar.

Os resultados dos estudos podem dar suporte técnico e científico à regulamentação do uso de insetos na alimentação humana ou animal.

“O produtor poderá se beneficiar do estabelecimento e da adequação dos processos de produção dos insetos em cativeiro, em conformidade com os regulamentos técnicos que devem ser criados. O consumidor, por sua vez, terá a garantia de um produto de alta qualidade nutricional e sanitária”, ressalta o zootecnista. Parte dos estudos é realizada em parceria com a Universidade Federal de Lavras.

COMPONENTES ALIMENTARES

A pesquisa busca linhagens melhoradas dos insetos e maneiras de aperfeiçoar a disponibilidade de nutrientes desses animais, com o intuito de ofertar produtos ricos para o metabolismo animal e humano. Outra frente do estudo avalia quais componentes alimentares podem ser extraídos dos insetos a fim de serem utilizados separadamente como suplementos ou aditivos.

“Após a etapa de produção dos insetos, vamos processar a farinha obtida com o auxílio da biotecnologia. A partir desse ponto, diversos componentes poderão ser extraídos e isolados, como proteínas, prebióticos e óleos”, explica Junio Cota, também professor do ICA e integrante do grupo de pesquisa.

Ele informa que também está em análise a extração de compostos de interesse de outros mercados, como as indústrias farmacêutica, cosmética e de papel e celulose.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Associação Brasileira de Zootecnistas
ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?