A integração da lavoura com as novas tecnologias é uma realidade cada vez mais presente no mercado brasileiro. Seguindo uma tendência mundial para otimização de trabalho, o zootecnista Leonardo Couto Pimenta, da Nufarm Indústria Química e Farmacêutica, planejou o desenvolvimento do Nupasto, aplicativo para smartphones criado para atender as necessidades da empresa e de seus clientes no Brasil.

De acordo com Pimenta, o app nasceu de um incomodo operacional que a empresa tinha quanto ao processo de se proceder um diagnóstico de áreas de pastagens infestadas por plantas invasoras.

“O mercado fazia e faz normalmente à cavalo, à pé, de carro… E isso demanda tempo, pessoas, recursos e não apresenta uma padronização nacional muito menos uma apresentação acurada do cenário”.

Leonardo e equipe foram premiados na categoria Inovação durante a convenção anual da Nufarm no Brasil (Foto: arquivo pessoal)

O aplicativo foi pensado para otimizar e diferenciar os diagnósticos da Nufarm, através de imagens captadas com o uso de drones que possibilitam visualizações ampla as áreas. Uma vez baixadas, as imagens são enviadas para uma plataforma da web que possibilita o pecuarista visualizar a proposta de trabalho da empresa, bem como os serviços, aplicações e resultados em suas propriedades. Tudo através do seu smartphone.

Para o zootecnista, a pecuária brasileira apresenta atualmente um mercado de oportunidades tecnológicas muito promissor em seus diversos setores. Para ele, o que precisa ser bem mapeado e orientado no momento de propor um projeto que vai gerar uma ferramenta, é exatamente o nível de aplicabilidade e benefícios para o mercado.

“Muita coisa vai surgir, até pelo nível de criatividade das novas gerações no que diz respeito a tecnologias, mas vai ficar no mercado aquilo que tiver e for percebido como gerador de valor ao pecuarista. Acredito que a zootecnia tem um papel fundamental em orientar essas propostas, utilizando sempre de fundamentos técnicos conferindo e validando os benefícios e aplicabilidade das ferramentas. Vejo muita ideia que na minha visão não geram a percepção de valor para o mercado e isso não vai sobreviver”.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Associação Brasileira de Zootecnistas
ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?