Avaliação de grupo de pesquisa sobre o tema (Foto: Gabriela Oliveira/Ascom)

O uso da ‘cama de frango’ como adubo apresentou excelentes resultados em um estudo recente que foi desenvolvido no curso de Zootecnia da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste). O material era famoso no passado por ser fornecido na alimentação de ruminantes, porém, essa prática foi proibida há anos pelo Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

“Nesse sentido, os trabalhos para o uso desse resíduo na adubação orgânica de acordo a legislação vigente foram intensificados. Exemplo disso foi a pesquisa desenvolvida na universidade que avaliou a eficiência da cama de frango na produção de forrageiras”, explica o professor do curso de Zootecnia da Unoeste, Marco Aurélio Factori, orientador da pesquisa.

De acordo com o zootecnista, a ‘cama de frango’ pode ser composta por madeira triturada ou cascas de alimentos, como amendoim ou arroz. Juntamente com as fezes, urina, restos de ração e penas das aves, o produto é uma alternativa de adubo orgânico para as forrageiras, no que tange, principalmente, a adubação nitrogenada.

“O composto também é rico em outros elementos como potássio, fósforo e outros micronutrientes”, cita o professor, lembrando que os solos do oeste paulista são pobres em matéria orgânica.

“Identificamos também que a cama de frango é capaz de aumentar esses teores, contribuindo de forma positiva com a produção agrícola da região”.

Factori, que também é o docente responsável pelo Grupo de Pesquisa em Produção Animal (GPPA) da Unoeste, destaca que no âmbito acadêmico, o trabalho ajudou a despertar o interesse dos alunos pela produção de uma forragem com qualidade por meio de um resíduo da avicultura.

“Precisamos adequar nossos sistemas e, por isso, a nossa expectativa é desenvolver pesquisas que foquem a produção animal, principalmente na alimentação e produção de ruminantes”.

Além de Factori, também estiveram envolvidos no estudo o professor Elcio de Souza Vicente e as egressas de Zootecnia Miriam Basilio e Tais Raposo.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Associação Brasileira de Zootecnistas
ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?