A certificação orgânica de um produto de origem animal, como carnes, ovos e derivados do leite, deve levar em consideração a certificação da produção primária e seu processamento. A afirmação é a da zootecnista Carolina Manço, que palestrou sobre o tema em um evento de certificação orgânica animal, organizado pelo Centro de Inteligência em Orgânicos (CI Orgânicos), na Penha (RJ). As informações são do portal Avicultura Industrial.

“Dependendo da produção, o produtor não é o responsável pela gestão dos diferentes elos dessa cadeia. Por isso, devem ser asseguradas a rastreabilidade e a qualidade das matérias-primas, desde os grãos fornecidos na alimentação dos animais até os ingredientes dos produtos formulados”.

Em sua palestra, Manço abordou o processo de certificação, destacando seus requisitos e procedimentos. Para ela, a certificação dos produtos de origem animal está além do lote de aves.

“É uma certificação dos cortes de frangos e de ovos, e para isso é necessário validar a unidade processadora desses produtos”.

A inter-relação entre a certificação animal e outros tipos de produção orgânica também é um ponto que se deve ter atenção, lembra a especialista.

“A certificação da produção animal considera também a certificação da produção vegetal, pois, para produzir um animal orgânico, a alimentação – considerando pastagens, ração, etc. – deve também atender à legislação do setor. Não há certificação orgânica dos animais sem a certificação da produção vegetal que será destinada a alimentação desses animais”.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2020 Associação Brasileira de Zootecnistas

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?