(Foto/Divulgação: Gisele Rosso/Embrapa)

Mais uma pesquisa desenvolvida por uma zootecnista revela importantes resultados para a pecuária brasileira. Um estudo de Marcela Morelli e do pesquisador Júlio Palhares, na Embrapa Pecuária Sudeste (SP), indicou que a utilização de resíduos da agricultura na alimentação do gado confinado reduz a pegada hídrica da pecuária bovina. A pesquisa avaliou como o uso desses coprodutos influencia o consumo de água na produção de carne.

De acordo com informações da Embrapa, na pesquisa foram testadas duas dietas diferentes: uma convencional e outra com a substituição total por coprodutos.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Júlio Palhares, a troca promoveu a redução do valor da pegada hídrica total. Enquanto na dieta convencional a pegada foi de 1.688 litros por quilo de carne, na alimentação com coprodutos, foi de 1.655 litros, uma redução de cerca de 2%.

Além de promover melhor eficiência hídrica, a utilização de alimentos alternativos manteve o desempenho dos animais.

Para a zootecnista Marcela Morelli, responsável pela pesquisa juntamente com Palhares, o manejo nutricional adequado é relevante já que a dieta representa entre 60% e 80% dos custos de produção na propriedade. No entanto, para substituir ingredientes convencionais por resíduos agrícolas deve-se observar a disponibilidade comercial, a qualidade nutricional, a proximidade e a oferta.

O ESTUDO

A pesquisa foi realizada no Confinamento da Fazenda Canchim, sede da Embrapa Pecuária Sudeste. Foram utilizados 52 machos Nelore divididos em dois grupos. As duas intervenções avaliadas foram: dieta convencional, composta por silagem de milho, concentrado de milho e farelo de soja, e dieta com coprodutos, à base de silagem de milho e concentrado de gérmen de milho gordo, polpa cítrica e casca de amendoim.

Segundo a pesquisa, o consumo médio do grupo com dieta convencional foi de 19 litros por cabeça ao dia e da dieta com coprodutos, de 23 litros.

“O consumo de água azul foi maior na dieta alternativa, pois os animais ingeriram maior quantidade de matéria seca, com menor teor de umidade, determinando maior consumo de água via bebedouro”, explica Palhares.

Segundo Marcela, a maior parte dos estudos relacionada ao uso de coprodutos na alimentação de bovinos avalia a substituição parcial de algum ingrediente convencional. A dieta de coprodutos promoveu uma redução no valor da pegada hídrica total 33 litros por quilo de carne em comparação a convencional.

“Os resultados demonstram que é possível formular dietas com coprodutos em substituição total aos ingredientes convencionais e ter impactos positivos na melhoria da eficiência hídrica da carne e ainda manter os níveis de desempenho animal. Outro ponto positivo é o fato de se converter um coproduto em um produto nobre, a carne bovina”.

Para conferir os detalhes do desenvolvimento desta pesquisa, clique aqui.

1 Comentário
  1. Marcel Marchiori 1 semana atrás

    Excelente resultados!

    Precisamos valorizar nossos recursos naturais e poder gerar uma economia financeira. Quando através de uma técnica científica é possível obter esses dois resultados fica evidente o desenvolvimento de um potencial de aplicabilidade em escala. Para isso temos que fortalecer a disseminação desse conteúdo.

    Parabéns aos pesquisadores e a Embrapa!

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2019 Associação Brasileira de Zootecnistas

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?