Além de ser essencial para a vida dos seres humanos, a água com qualidade é um fator primordial, também, para o bom desempenho e saúde dos rebanhos, garantindo mais lucratividade para pecuaristas tanto em sistemas a pasto quanto em confinamentos. O zootecnista Bruno Marson, da Connan Geração de Resultados, falou sobre o assunto em entrevista recente.

“O bovino pode perder 100% de sua gordura corporal ou até 50% de seu tecido muscular, que ainda se mantém vivo, mas se perder de 10 a 12% do volume de água do corpo pode chegar a óbito”, relembra Bruno.

(Foto: Ascom/Divulgação)

Segundo o zootecnista, um experimento mostrou que, após a distância de 500 metros da fonte de água, a cada 1 km de acréscimo na caminhada, os animais podem deixar de ganhar, diariamente, 40g/km em terrenos planos; 53 g/km em espaços com leves ondulações e até 60g/km em campos ondulados.

“Essas perdas impactam diretamente os resultados dos índices de ganho médio diário do rebanho e, consequentemente, o lucro final da propriedade”.

QUALIDADE

A condição da água também pode afetar negativamente o crescimento, a reprodução ou a produtividade dos animais. Além disso, quando é disponibilizado ao animal duas opções de fonte de água, um lago e um bebedouro por exemplo, o bovino tende a optar pela segunda opção justamente por apresentar melhor qualidade.

“Os lagos, em sua maioria, apresentam índices consideráveis de contaminação por fezes de animais, que são sentidos pelo rebanho, que passa a reduzir o consumo ou recusar a água”, afirma Marson.

Segundo o zootecnista, o bovino consegue perceber a contaminação da água em percentuais a partir de 0,05 mg/l, quando passa a buscar outra fonte de água. A partir de 2,5 mg/l, já pode-se perceber uma redução no consumo de água e, com índices acima de 5 mg/l, o animal passa a consumir menos matéria seca, ou seja, pasto, suplemento e ração.

Outro dado de importância é o referente a distância das fontes de água em áreas de pastagens. “Quando o animal caminha demais para encontrar água de qualidade tende a apresentar um desempenho menor”, diz Marson.

A dica do zootecnista é instalar diversos bebedouros espalhados pela propriedade, de acordo com o sistema de produção e a viabilidade. Além disso, Marson recomenda que se mantenha uma frequência de limpeza bem estabelecida.

Em um sistema de confinamento, por exemplo, em que o bebedouro é a única fonte de água, essa limpeza deve ser feita ao menos duas vezes por semana, já que os animais possuem uma dieta mais farelada e a lotação é maior.

“A água é um fator produtivo, assim como a genética, a nutrição e o manejo de pastagem e, por isso, interfere muito nos resultados da propriedade. Por essa razão é muito importante estar atento na qualidade da água oferecida ao rebanho, para que o animal se desenvolva bem e a lucratividade da fazenda seja garantida”.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2020 Associação Brasileira de Zootecnistas

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?